06/10/09

As greves do ABC paulista


Há 30 anos os movimentos dos trabalhadores enfraqueceram a ditadura e influenciaram o processo de redemocratização do Brasil

A partir de 1978, quando o Brasil ainda vivia sob o regime militar, trabalhadores do maior parque industrial do país, localizado na região do ABC paulista (Santo André, São Bernardo e São Caetano) desencadearam uma série de greves que mobilizaram milhares de operários e conquistaram o apoio de partidos políticos, entidades da sociedade civil e naturalmente a simpatia da população.


Os trabalhadores do ABC paulista foram além das reivindicações por aumento salarial e melhores condições de trabalho e passaram a defender também a grande bandeira democrática das eleições das eleições diretas em todos os níveis, inclusive para presidente da República, o que justifica o apoio da população ao movimento.

Dos movimentos grevista que eclodiram em meados de 1978 e adentraram na década de 80 nasceram das instituições que deram maior força e caráter organizacional às grande mobilizações pelo país afora: CUT (Central Única dos Trabalhadores) e o PT (Partido dos Trabalhadores), presididas, respectivamente, por Jair Menenguelle e Luís Inácio Lula da Silva (Lula).

Com essas duas frentes de combate, os trabalhadores, liderados pelos sindicalistas, estenderam o movimento nos anos 80 para todos os estados da Federação. Com papéis distintos e perseguindo os mesmos objetivos, as duas entidades atuavam em parceria. Enquanto a CUT planejava e organizava as greves por todo o país, naturalmente tendo o ABC paulista como seu epicentro, o PT marchava pelas ruas em defesa do regime democrático, ao lado dos partidos de esquerda da época, como o PMDB, o PDT e o PCdoB, a frente democrática que pregava eleições diretas.

É claro que esses movimentos ganharam a adesão da grande maioria da população e isso causou inquietação nos quartéis. O movimento era de abertura política e, então, plantava-se boa semente em terreno fértil. As grandes nações, como Estados Unidos e países europeus, já não apoiavam os regimes totalitários em crise de credibilidade na América Latina, patrocinadores de atrocidades, com prisões, torturas, atentados e assassinatos de líderes oposicionistas e a corrupção desenfreada, fatos que assustavam o mundo.

O movimento sindical dos anos 80 deu larga contribuição para a redemocratização do Brasil porque despertou as massas adormecidas pelo medo e pela repressão dos anos de chumbo que se sucederam ao golpe militar de 31 de março de 1964.

Com a credibilidade em baixa no cenário internacional e a recessão econômica prejudicando a economia, o governo militar amargava índices altíssimos de impopularidade em 1978, quando o MDB, partido de oposição ao regime, elegeu a maioria da Câmara dos Deputados. Foi aí que os generais criaram a figura do “senador biônico”, ou seja, instituíram a prorrogação de mandato dos senadores da Arena, partido da situação.

A reabertura democrática se deu em derramamento de sangue e sem tanques de guerra nas ruas. Uma breve cronologia dos fatos mais importantes, citamos a anistia dos presos e exilados políticos decretada em 1979 pelo presidente João Figueiredo. Ao retornarem do exílio em 1980, Miguel Arraes (Pernambuco), Leonel Brizola (Rio Grande do Sul/Rio de Janeiro) e outras lideranças políticas se engajaram no movimento democrático já existente no país, que culminou com a eleição de Tancredo Neves para presidente da República pelo Colégio Eleitoral em 1984, depois da derrota da emenda das “Diretas”, do deputado federal Dante de Oliveira.

Embora a eleição tenha sido indireta, Tancredo percorreu o país em campanha e obteve o apoio da grande maioria da população brasileira. Tancredo morreu sem tomar posse e o vice, José Sarney, egresso da ditadura, manteve seu compromisso e deu ao país a Constituição Democrática de 1988, que assegura dentre outras conquistas, eleições diretas para todos os níveis. Três décadas depois do surgimento do movimento sindical, o país não esqueceu – e irá lembrar sempre – da sua decisiva contribuição para a redemocratização do país.



* Tony Borges é licenciado em
Letras (Faculdade de Araripina-P),
bacharel em Direito (UESPI) e
acadêmico de Jornalismo
pela Faculdade R. Sá

Um comentário: